quarta-feira, setembro 24, 2014

!! Be Free !!

De um dia, até um dia...

Um abraco-beijo profundo...
Aperta a pele contra o corpo...
Vestido de um forte desejo desnudo...
Repete-se num "milesimo de segundo"...

E pára...

Retorna ao solo que sobrevou...
Ás conviccoes de que não se despegou...

E numa caricia, te liberta...
Num mundo todo ele teu e á tua volta...
Para seres o ser que és...
Sem medida nem método...
Livre...

Até um dia...!

quarta-feira, setembro 03, 2014

Just Know!

Amo-te!
Num amor tão meu que não creio saber chamar-lhe amor.
De tanto amor se fez como se desfez, até sò restar um sonho improvável.
E do tempo arranco-lhe as escamas, as cinzas enriquecidas pela saudade, mas nao sangra.
Nao escoa.
Nao nada.
Por isso sei que te amo.
Num amor tao meu quanto livre de ser o que simplesmente é.
Reconhecendo-o de então, num presente agora dormentemente tranquilizado pelo excesso de certezas.
Sendo irrefutável aquela que maior certeza me garante: Amei-te, Amo-te e Amar-te-ei...ainda que não sabendo se foi, é e será Amor!

N.P.

quarta-feira, junho 27, 2012

* ! Quero-te bem ! *


Incondicionavel substância de ser, este que me agarra e afasta sempre que te quero perto ..
Que me impõe a distância ao olhar, quando só queria poder ficar horas a observar ..
É com leveza que me dito, aquela que te compreende feliz ..
E não se permite á intenção de nada que possa alterar essa tua paz de espirito ..
Não sei se sinto, ou o que definir, sei somente que te guardo carinhosamente numa historia ..
Que por agora, só a  mim me permito ..
Quero-te bem .. !

N.P.
Quarta-feira, 23 de Maio de 2012 às 6:14

* !Monólogo! *


Perante o auge da expressão em que me reconheço, de outrora e no agora, confundes-me!
É que na inocencia em que te revelas, subtilmente furtas as palavras que guardo em silencio.
E assim me desarmas!
E foges, e tudo levas sem pudor.
E quando voltas!
Quando voltas trazes esse sorriso ao peito sem qualquer preconceito.
Curiosamente, é aí que me quedo mais um pouco. 
Encantada!
Temo, confesso, mas não me privo!
Entendo como inata, essa tão particular essencia que me vem cativando.
Que me agarra ao misterio das questões que prolongo sem ansiar resposta:
Será que me sei aqui?
E tu, será que te sabes assim? ...
Adoro! 

N.P.
 Sábado, 9 de Junho de 2012 às 1:28

*! Tela de Retalhos !*


Sei-me guardiã de infimos fragmentos de momentos proibidos ..
E com eles vou construindo, carinhosamente, uma tela de retalhos ..
Ganha forma, pedaço de vida, de cada vez que insurge o silencio cumplice nos olhos que falam sem querer.

Sei-te tão pouco quanto se permite ..
Mas sei-me tão bem que temo mais querer saber ..
Fico, então, aqui so mais um pouco, ausente e tão presente quanto posso.

Mas hoje, curiosa, parei no tempo e observo a tela que a inocência dos sentidos tende criar ..
E quando ja só constatando o sonho provavel, sei-a tão minha quanto só minha.

Chegada, então, assim a hora!

Deixar cair o pano, embrulhar as mascaras que protegem, passo em frente e permitir-me ser ..

O quê?

Não sei ..
Tudo e nada ..
Tudo, o que ha-de vir ..
Nada disto, de criar sem te sentir!


N.P.
Quinta-feira, 14 de Junho de 2012 às 2:02